Translator Disclaimer
1 December 2014 Primatas da Reserva Particular do Patrimônio Natural Água Boa, Cacoal, Rondônia, Brasil
Almério Câmara Gusmão, Marcella Alves Crispim, Marcelo Lucian Ferronato, José de Sousa e Silva Junior
Author Affiliations +

O conhecimento da fauna de primatas do Estado de Rondônia, o qual está inserido no “arco do desmatamento” (Ferreira et al., 2005), é escasso (Ferrari et al, 1996; van Roosmalen et al., 2002). Segundo van Roosmalen et al. (2002), os fragmentos florestais da região podem abrigar até nove espécies. Neste estudo realizamos um levantamento dos primatas habitantes de um fragmento de floresta de terra firme, a Reserva Particular do Patrimônio Natural Água Boa.

A RPPN Água Boa (11°29′17,14″S, 61°26′20,23″O; 210 m a.n.m.m) está situada na linha “E”, Setor Prosperidade, Lote 65 do município de Cacoal, Rondônia, Brasil (Fig. 1). Ela possui 96 ha cobertos predominantemente por Floresta Ombrófila Aberta (RADAMBRASIL, 1978) no interior de uma propriedade particular de uso agropecuário, agroflorestal e florestal com 343 ha, dos quais 178 ha são cobertos por floresta e 165 ha por pastagens. O entorno da RPPN possui pequenos fragmentos florestais isolados imersos em uma matriz de pastagem. O clima da região, segundo a classificação de Koppen (1948), é equatorial quente e úmido. A precipitação pluviométrica média anual excede 2,000 mm.

Tabela 1.

Tamanho dos grupos, abundância e tipo de registro (C=censo; E=extracenso; V=vocalização) das espécies da RPPN Água Boa (Cacoal, Rondônia, Brasil).

t01_207.gif

Figura 1.

Mapa do Estado de Rondônia em destaque mostrando a localizaçáo da RPPN Água Boa (círculo preto).

f01_207.jpg

O levantamento dos primatas foi realizado pelo método da transecção linear (Peres, 1999; Buckland et al., 2001) no período de fevereiro a novembro de 2009 em intervalos de 10 dias. Duas trilhas perpendiculares com 1,950 m e 700 m de comprimento, marcadas a cada 50 m, foram percorridas 26 vezes pela manhã (início das atividades às 06:00) a uma velocidade média de 1,5 km/h (esforço de amostragem: ca. 69 km). Um total de 111 avistamentos distribuídos entre seis espécies foi obtido: Saguinus weddelli, Sapajus apella, Callicebus cf. moloch, Pithecia irrorata, Alouatta puruensis e Ateles chamek. Além dessas espécies, Aotus nigriceps foi observado em três ocasiões extracenso. A ausência de Saimiri ustus e Chiropotes albinasus na RPPN pode estar relacionada, respectivamente, à inexistência de cursos 'água na área, tendo em vista que os macacos-de-cheiro preferem ambientes úmidos (Baldwin, 1985; Silva Jr., 2007), e à baixa tolerância dos cuxiús à perda e fragmentação do habitat (Gordo et al., 2008; Veiga e Pinto, 2008).

Tabela 2.

Riqueza de espécies de primatas, esforço amostral, número de avistamentos e taxa de avistamento em sete áreas de estudo no Estado de Rondônia.

t02_207.gif

O tamanho dos grupos variou de um indivíduo solitário a 12 indivíduos e a abundância das espécies variou de 0,7 (Alouatta puruensis) a 7,8 grupos/10 km (Sapajus apella; Tabela 1). A maior abundância (16,1 grupos/10 km) observada na RPPN em comparação com outras áreas em Rondônia (Tabela 2) sugere um adensamento de fauna (Ferrari et al., 2001).

Em suma, apesar de possuir uma pequena área, a RPPN Água Boa abriga a maioria das espécies de primatas da região de Cacoal. Entretanto, a sobrevivência dessas espécies em longo-prazo na área pode depender de estratégias de manejo que facilitem o fluxo gênico entre as populações da RPPN e as populações dos fragmentos vizinhos.

Agradecimentos

Ao Cacoal Selva Park pelo apoio financeiro. A Marco R. de Souza e Adriano Martins pela colaboração em campo e a Júlio César Bicca-Marques pelas sugestões no manuscrito.

Referências

1.

J. D. Baldwin 1985. The behavior of squirrel monkeys (Saimiri) in natural environments. In: Handbook of Squirrel Monkey Research, L. A. Rosenblum e C. L. Coe (eds.), pp. 35–53. Plenum Press, New York. Google Scholar

2.

P. H. Bonavigo 2005. Inventário e censo da mastofauna diurna da Estação Ecológica de Samuel/RO. Monografia de Bacharelado, Universidade Federal de Rondônia, Porto Velho, Brasil. Google Scholar

3.

S. T. Buckland , D. R. Anderson , K. P. Burnham e J. L. Laake 2001. Distance Sampling: Estimating Abundance of Biological Populations. Chapman and Hall, London. Google Scholar

4.

S. F. Ferrari , S. Iwanaga e J. Silva 1996. Platyrrhines in Pimenta Bueno. Neotrop. Primates 4: 151–153. Google Scholar

5.

S. F. Ferrari , M. A. O. A. Lopes e A. C. Oliveira 2001. A fauna de mamíferos não-voadores da Reserva Biológica do Traçadal — RO. Relatório Técnico não publicado. Governo do Estado de Rondônia., Porto Velho. Google Scholar

6.

L. V. Ferreira , E. Venticinque e S. S. Almeida 2005. O desmatamento na Amazônia e a importância das áreas protegidas. Estudos Avançados 19: 157–166. Google Scholar

7.

M. L. Ferronato 2006. Impacto da exploração florestal manejada na mastofauna amazônica. Inventário e estimativa populacional da mastofauna de médio e grande porte na Fazenda Manoa, Cujubim/RO. Monografia de Bacharelado, Universidade Federal de Rondônia, Porto Velho, Brasil. Google Scholar

8.

M. Gordo , L. F. Rodrigues , M. D. Vidal e W. R. Spironello 2008. Primatas. In: Reserva Ducke: A Biodiversidade Amazônica através de uma Grade, M. L. Oliveira , F. B. Baccaro , R. Braga Neto e W. E. Magnusson (eds.), pp. 39–49. Attema Design Editorial, Manaus. Google Scholar

9.

W. Köppen 1948. Climatologia: Con un Estudio de los Climas de la Tierra. Fondo de Cultura Econômica, Ciudad de Mexico. Google Scholar

10.

M. R. Messias 1999. Avaliação Ecológica Rápida da REBIO Rio Ouro Preto: relatório técnico de mastofauna e aves cinegéticas. Relatório técnico não publicado, PNUD/PLANAFLORO, Porto Velho. Google Scholar

11.

M. R. Messias 2002. Avaliação Ecológica Rápida da Estação Ecológica Estadual Antônio Mujica Nava. Relatório técnico dos grupos de mastofauna diurna e aves cinegéticas. Relatório técnico não publicado, ONG Kanindé, Porto Velho. Google Scholar

12.

M. R Messias 2003. Relatório técnico da mastofauna de médio e grande porte do Parque Nacional da Serra da Cutia/RO. Relatório técnico não publicado, ONG Kanindé, Porto Velho. Google Scholar

13.

C. A. Peres 1999. General guidelines for standardizing line-transect surveys of tropical forest primates. Neotrop. Primates 7: 11–16. Google Scholar

14.

Radambrasil . 1978. Projeto RADAMBRASIL. Vol. (1–34). Geologia, geomorfologia, pedologia, vegetação e uso potencial da terra. Brasília (DF), Departamento Nacional de Produção Mineral. Google Scholar

15.

Rondônia. 2007. Zoneamento Socioeconômico-Ecológico do Estado de Rondônia. SEPOG, Porto Velho: Website:  http://www.seplan.ro.gov.br/Conteudo/Exibir/42. Acessado em 2 de março de 2014. Google Scholar

16.

J. S. Silva Júnior 2007 Primatas da Amazônia: diversidade ameaçada. In: Amazônia, vol. 1, I. S. Gorayeb e R. M. Graph (eds.), pp. 121–124. RM Graph, Belém. Google Scholar

17.

M. G. M. van Roosmalen , T. van Roosmalen e R. A. Mittermeier 2002. A taxonomic review of the titi monkeys, genus Callicebus Thomas, 1903, with the description of two new species, Callicebus bernhardi and Callicebus stephennashi, from Brazilian Amazonia. Neotrop. Primates 10: 1–52. Google Scholar

18.

L. M. Veiga e L. P. Pinto 2008. Gênero Chiropotes Lesson 1840. In: Primatas Brasileiros, 1a ed. N. R. Reis , A. L. Peracchi e F. R. Andrade , (eds.), pp. 139–146. Technical Books Editora, Londrina. Google Scholar
Almério Câmara Gusmão, Marcella Alves Crispim, Marcelo Lucian Ferronato, and José de Sousa e Silva Junior "Primatas da Reserva Particular do Patrimônio Natural Água Boa, Cacoal, Rondônia, Brasil," Neotropical Primates 21(2), 207-209, (1 December 2014). https://doi.org/10.1896/044.021.0212
Published: 1 December 2014
JOURNAL ARTICLE
3 PAGES


SHARE
ARTICLE IMPACT
Back to Top