Translator Disclaimer
1 December 2014 Ocorrência de Sapajus flavius e Alouatta belzebul no Centro de Endemismo Pernambuco
Marcos de Souza Fialho , Mônica Mafra Valença-Montenegro , Thiago César Farias da Silva , Juliana Gonçalves Ferreira , Plautino de Oliveira Laroque
Author Affiliations +

Introdução

O primeiro registro de S. flavius foi realizado por Marcgrave (1648). Posteriormente, Schreber (1774) denominou o táxon como Simia flavia. Hershkovitz (1949) sugeriu que S. flavia era inidentificável e, mais tarde, o considerou sinônimo de Cebus (Sapajus) libidinosus (Hershkovitz, 1987). Entretanto, Oliveira e Langguth (2006), determinaram que Simia flavia era um táxon válido, atualmente reconhecido como Sapajus flavius (Lynch Alfaro et al., 2012). Igualmente citado por Marcgrave (1648), Alouatta belzebul apresenta distribuição disjunta, com uma população amazónica e outra restrita ao norte da Mata Atlântica (Bonvicino et al., 1989; Gregorin, 2006). Estas espécies compartilham grande parte de sua distribuição na região que corresponde ao Centro de Endemismo Pernambuco (CEP), o qual inclui todas as florestas entre os estados do Rio Grande do Norte e Alagoas e que, comparado a outros setores da Mata Atlântica, é o mais desmatado e o menos conhecido e protegido em unidades de conservação (Silva e Tabarelli, 2001). O primeiro levantamento da situação dos primatas na Paraíba, com destaque para A. belzebul, foi realizado há cerca de 20 anos (Oliveira e Oliveira, 1993). Recentemente, Feijó e Langguth (2013) compilaram os registros de coleções científicas.

Sapajus flavius é categorizado como Criticamente Em Perigo na Lista Vermelha da IUCN de 2010 (Oliveira et al., 2008), enquanto Alouatta belzebul consta como Vulnerável (Veiga et al., 2008). Embora não constem na Lista Oficial das Espécies da Fauna Brasileira Ameaçadas de Extinção (MMA, 2003), considerando a fragmentação e a perda de 93% da cobertura original da Mata Atlântica ao norte do Rio São Francisco (Tabarelli et al., 2005), torna-se plausível especular sobre um alto risco de extinção para S. flavius e para as populações de A. belzebul desta área de sua distribuição. Desta forma, este trabalho visou revisar as áreas de ocorrência dessas espécies no CEP.

Material e Métodos

Três espécies de primatas autóctones são encontradas no CEP: S. flavius, A. belzebul e Callithrix jacchus. A última está amplamente distribuída na região, com ocorrência, inclusive, em áreas urbanas. Para as duas primeiras foram compilados os registros de presença disponíveis na literatura e em material não-publicado de colaboradores (e.g., fotografias) e de levantamentos realizados entre 2006 e 2009 em fragmentos florestais na área entre os paralelos 5°20′ e 10°10′S. Equipes compostas por dois a três pesquisadores realizaram oito expedições, totalizando 30 dias de amostragem, a fim de vistoriar as localidades com ocorrência de S. flavius e A. belzebul descritas na literatura e obter registros de novas áreas. Informantes (especialmente agricultores, caçadores, indígenas e funcionários de usinas sucroenergéticas e de fazendas e, eventualmente, técnicos agrícolas e extensionistas) foram selecionados nas vizinhanças dos fragmentos florestais identificados em mapas cartográficos e imagens de satélite. Entrevistas informais, baseadas em um questionário semi-estruturado que visava averiguar o nível de conhecimento do entrevistado sobre as espécies de interesse e a indicação de áreas com presença atual ou pretérita das mesmas, foram realizadas com todos os informantes. Pranchas pictóricas de várias espécies de primatas foram empregadas, quando necessário, para auxiliar na entrevista e permitir o descarte de informantes contraditórios, à semelhança do realizado por Jerusalinsky (2007).

Os fragmentos com indicação de ocorrência de, pelo menos, uma espécie-alvo, foram visitados à procura de indícios diretos (avistamentos) ou indiretos (e.g., fezes, carcaças, vocalizações e pedaços de cana-de-açúcar sobre as árvores). Os fragmentos com confirmação ou indicação confiável da presença dos primatas foram georreferenciados com auxílio de receptor GPS (Global Position System). Estimativas da área desses fragmentos foram obtidas nas entrevistas e confirmadas com auxílio do programa Spring (Câmara et al., 1996) por Silva e Fialho (2013), sempre que possível.

Resultados

Quarenta localidades com presença de Sapajus flavius e/??? ou Alouatta belzebul (22 somente com S. flavius, 11 somente com A. belzebul e sete com ambas as espécies) foram citadas em 247 entrevistas válidas. A ocorrência das espécies foi confirmada em 28% destas localidades por meio de indícios diretos e indiretos (S. flavius= 8/29, A. belzebul= 5/18; Fig. 1 e Tabela 1).

O estado do Rio Grande do Norte possui uma única área de Mata Atlântica com a presença de S. flavius e A. belzebul, a RPPN Senador Antônio Farias (06°26′4″S, 34°58′47″O), a qual atualmente representa o limite setentrional para ambos os táxons no bioma. O estado da Paraíba, por outro lado, concentra o maior número de registros e indicações de presença para ambas as espécies (19 para S. flavius e 10 para A. belzebul).

Os fragmentos ocupados ou com indicação de ocorrência possuem entre 10 e 3,000 ha, cerca de 1/4 dos quais possuem >1,000 ha. A soma de todas as áreas com indicação ou presença confirmada totalizou quase 32,000 ha. A área de ocupação de S. flavius foi estimada em 23.500 ha e a de A. belzebul em 15,600 ha. As espécies ocorrem em sintopia em 4,600 ha. De modo geral, os fragmentos visitados parecem apresentar um risco muito baixo de serem totalmente suprimidos, apesar de serem frequentemente usados como fonte de lenha, subprodutos florestais (e.g., lenha e mel) e/ ou local de caça pela população circundante.

Figura 1.

Áreas com indicaçáo ou confirmaçáo de presença de Sapajus flavius e Alouatta belzebul no Centro de Endemismo Pernambuco, Brasil.

f01_214.jpg

Em relação à proteção legal destas áreas, quatro fragmentos habitados por S. flavius estão localizados em unidades de conservação (UC) e quatro estão inseridos em terras indígenas. Por sua vez, seis fragmentos habitados por A. belzebul estão em unidades de conservação e um se encontra em terra indígena (Tabela 1).

Discussăo

A situaçábo das populações de ambas as espécies no Centro de Endemismo Pernambuco parece bastante crítica. Suas populações estão restritas a poucos fragmentos, em sua maioria, relativamente isolados. Alouatta belzebul pode estar em uma situação mais crítica, pois é a espécie de primata mais caçada na região e parece ocorrer em um número menor de fragmentos florestais. Embora S. flavius ocorra em um maior número de fragmentos, apenas sete deles (24%) apresentam área superior ao mínimo necessário (952 ha), segundo Montenegro (2011), para suportar populações demográfica e geneticamente viáveis em longo prazo. Oliveira e Oliveira (1993) identificaram nove áreas com macacos-prego (S. flavius) na Mata Atlântica da Paraíba, duas das quais (mata do Grotão e mata do Silva, esta última em terras indígenas potiguar as) desapareceram em decorrência de desmatamento para implantação de “roças”. Em relação a A. belzebul foi possível detectar pelo menos uma extinção local em Alagoas (mata da Usina Sinimbu; 9°55′S, 36°08′O; Langguth et al., 1987). Contudo, embora imprecisos no espaço e no tempo, relatos de ocorrência pretérita das duas espécies foram recorrentes. Remetiam, em especial, às décadas de 1970 e 1980, quando da implantação do programa governamental Pró-Álcool que visava o estímulo à produção deste biocombustível.

Embora S. flavius esteja presente em uma UC de Proteção Integral, cabe destacar que a mesma não possui isolamento do entorno, sinalização, infraestrutura e fiscalização. Além disso, residentes vizinhos à UC relatam a eventual captura de animais para uso como animais de estimação ou consumo. Alouatta belzebul, entretanto, dispõe de uma situação ligeiramente melhor em relação à sua presença em unidades de conservação, embora tenha sido registrada em um número menor de fragmentos. Cabe destacar que a população da REBIO Guaribas é, em sua totalidade, produto da liberação de animais translocados e apreendidos (Garcia et al., 2011). Apesar de ambas as espécies estarem presentes em terras indígenas potiguaras, a situação demográfica destas populações é desconhecida.

O presente estudo constitui um marco referencial para proposição de ações para a conservação das espécies, embora não elimine a possibilidade de existirem outras áreas habitadas por estes primatas no CEP. Entre as medidas prioritárias para a conservação de S. flavius e A. belzebul nesta região destacam-se a formação de corredores entre os fragmentos remanescentes, a translocação de indivíduos, a reintrodução e/ou o reforço populacional. Estas ações visariam atenuar os efeitos negativos da endogamia e aumentar a probabilidade de persistência em longo prazo das metapopulações (ICMBio, 2011).

Tabela 1.

Localidades com indicação ou confirmação de presença de Sapajus flavius e Alouatta belzebul no Centro de Endemismo Pernambuco.

t01a_214.gif

Continued

t01b_214.gif

Agradecimentos

Agradecemos o apoio das usinas sucroenergéticas da região que permitiram o acesso às suas áreas, à equipe da Reserva Biológica Guaribas e às pessoas que cordialmente permitiram que seu conhecimento fosse consolidado na presente publicação.

Referencias

1.

C. R. Bonvicino , A. Langguth e R. A. Mittermeier 1989. A study of the pelage color and geographic distribution in Alouatta belzebul (Primates: Cebidae). Rev. Nordest. Biol. 6: 139–148. Google Scholar

2.

G. Câmara , R. C. M. Souza , U. M. Freitas e J. Garrido 1996. Spring: Integrating remote sensing and GIS with object-oriented data modelling. Comput. Graph.-UK 20: 395–403. Google Scholar

3.

A. e Langguth Feijó , A . 2013. Mamíferos de médio e grande porte do Nordeste do Brasil: distribuição e taxonomia, com descrição de novas espécies. Rev. Nordest. Biol. 22: 3–225. Google Scholar

4.

D. W. Gabriel , H. S. Dantas , F. P. M. C. Albuquerque e M. Rocha Neto 2005. Inventário das espécies de primatas ocorrentes na RPPN Senador Antônio Farias, Mata Estrela, Baía Formosa, RN: resultados preliminares. Em: Programa e Livro de Resumos do XI Congresso Brasileiro de Primatologia , J. C. Bicca-Marques (org.), p. 104. Sociedade Brasileira de Primatologia, Porto Alegre. Google Scholar

5.

V. L. A. Garcia , L. Fialho, M. S. e Jerusalinsky 2011. Estudo populacional e manejo de guaribas-de-mãos-ruivas reintroduzidos (Alouatta belzebul) na Reserva Biológica Guaribas, Paraíba, Brasil. Relatório técnico, Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Primatas Brasileiros, João Pessoa. Google Scholar

6.

R. Gregorin 2006. Taxonomy and geographic variation of species of the genus Alouatta Lacépède (Primates, Atelidae) in Brazil. Rev. Bras. Zool . 23: 64–144. Google Scholar

7.

P. Hershkovitz 1949. Mammals of northern Colombia. Preliminary report 4: monkeys (Primates), with taxonomic revisions of some forms. Proc. U. S. Nat. Mus. 98: 323–427. Google Scholar

8.

P. Hershkovitz 1987. A history of the recent mammalogy of the Neotropical region from 1492 to 1850. Fieldiana Zool. 39: 11–98. Google Scholar

9.

ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade). 2011. Plano de Ação Nacional para a Conservação dos Primatas do Nordeste: Sumário Executivo. Website:  http://www.icmbio.gov.br/portal/biodiversidade/fauna-brasileira/plano-de-acao/865-pan-primatas-do-nordeste. Acessada em 1 de outubro de 2013. Google Scholar

10.

L. Jerusalinsky 2007. Entrevistas como método auxiliar para definição de distribuição geográfica e mapeamento de populações de primatas. Em: Programa e Resumos do XII Congresso Brasileiro de Primatologia (CD-ROM) , F. R. de Melo (org.), p. 276. Sociedade Brasileira de Primatologia, Belo Horizonte. Google Scholar

11.

A. Langguth , D. M. Teixeira , R. A. Mittermeier e C. Bonvicino 1987. The red-handed howler monkey in northeastern Brazil. Primate Cons. 8: 36–39. Google Scholar

12.

J. Lynch Alfaro , J. S. Silva Jr e A. B. Rylands 2012. How different are robust and gracile capuchin monkeys? An argument for the use of Sapajus and Cebus. Am. J. Primatol. 74: 273–286. Google Scholar

13.

G. Marcgrave 1648. Historiae Rerum Naturalium Brasiliae, Libro VI. Leiden: Ioanes de Laet, Elzevier. Google Scholar

14.

MMA (MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE). 2003. Instrução Normativa n° 3, de 27 de maio de 2003. Lista das espécies da fauna brasileira ameaçadas de extinção. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 28 de maio de 2003. Google Scholar

15.

M. M. V. Montenegro 2011. Ecologia de Cebus flavius (Schreber, 1774) em remanescentes de Mata Atlântica no estado da Paraíba. 2011. Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, Piracicaba, Brasil. Website:  http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/91/91131/tde-20122011— 143229/. Acessada em 23 de setembro de 2013. Google Scholar

16.

M. M. e Langguth Oliveira , A . 2006. Rediscovery of Marcgrave's capuchin monkey and designation of a neotype for Simia flavia Schreber, 1774 (Primates, Cebidae). Bol. Mus. Nac. Zool. 523: 1–16. Google Scholar

17.

M. M. e Oliveira Oliveira , J. C. C . 1993. A situação dos cebídeos como indicador do estado de conservação da Mata Atlântica no Estado da Paraíba, Brasil. Em: A Primatologia no Brasil 4 , M. E. Yamamoto e M. B. C. Souza , (eds.), pp.155–167. Editora Universitária/UFRN, Natal. Google Scholar

18.

M. M. Oliveira , J. P. Boubli e M. C. M. Kierulff 2008. Cebus flavius. Em: IUCN Red List of Threatened Species. Version 2013.1. Website:  http://www.iucnredlist.org/details/136253/0. Acessada em 29 de agosto de 2013. Google Scholar

19.

A. R. M. Pontes , A. J. R. Malta e P. H. Asfora 2006. A new species of capuchin monkey, genus Cebus Erxleben (Cebidae, Primates): found at the very brink of extinction in the Pernambuco Endemism Centre. Zootaxa 1200:1–12. Google Scholar

20.

J. C. D. Schreber 1774. Die Säugthiere in Abbildungen nach der Natur mit Beschreibungen. Erlangen: Theil 1, Heft 4. Google Scholar

21.

E. A. A. Silva e M. S. Fialho 2013. Geoprocessamento aplicado ao Plano de Ação Nacional para a conservação dos primatas do Nordeste — PAN: identificação, monitoramento e manejo de áreas estratégicas à conectividade funcional das espécies-alvo. Em: Anais do V Seminário de Pesquisa e V Encontro de Iniciação Científica do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade , I. Salzo , G. F. M. Ferreira e K. T. Ribeiro (orgs.), p.50. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, Brasília. Google Scholar

22.

J. M. C. Silva e M. Tabarelli 2001. The future of Atlantic forest in northeastern Brazil. Conserv. Biol. 15:819– 820 Google Scholar

23.

A. P. Souza e M. A. O Monteiro da Cruz . 2005. Ecologia comportamental de uma população remanescente de Alouatta belzebul, em um fragmento de Mata Atlântica no Estado de Pernambuco, Brasil. Em: Programa e Livro de Resumos do XI Congresso Brasileiro de Primatologia , J. C. Bicca-Marques (org.), p. 167. Sociedade Brasileira de Primatologia, Porto Alegre. Google Scholar

24.

M. Tabarelli , L. P. Pinto , J. M. C. Silva , M. M. Hirota e L. Bedê 2005. Desafios e oportunidades para a conservação da biodiversidade na Mata Atlântica brasileira. Megadiversidade 1: 132–138. Google Scholar

25.

L. M. Veiga , C. Kierulff e M. M. Oliveira 2008. Alouatta belzebul. Em: IUCN Red List of Threatened Species. Version 2013.1. Website:  http://www.iucnredlist.org/details/39957/0. Acessada em 29 de agosto de 2013. Google Scholar
Marcos de Souza Fialho , Mônica Mafra Valença-Montenegro , Thiago César Farias da Silva , Juliana Gonçalves Ferreira , and Plautino de Oliveira Laroque "Ocorrência de Sapajus flavius e Alouatta belzebul no Centro de Endemismo Pernambuco," Neotropical Primates 21(2), 214-218, (1 December 2014). https://doi.org/10.1896/044.021.0215
Published: 1 December 2014
JOURNAL ARTICLE
5 PAGES


SHARE
ARTICLE IMPACT
Back to Top